a partida *


Quando estava a comprar os bilhetes de avião, senti um grande aperto. Sabia que estava certa e o meu futuro devia-se àquela viagem mas ao mesmo tempo sabia que te ia deixar para trás e que se um dia voltasse já não eras o mesmo, nem eu.
Tinha que me encontrar no aeroporto por volta das oito da noite - prefiro especialmente as viagens à noite. Ainda me sobravam algumas horas para me despedir de tudo, se um dia voltasse sabia que as lojas já não estariam no local de antigamente e até de proprietário haviam mudado. Percorri as velhas ruas da praça, parei no meu café de eleição e saboreei um café, curto e de chávena gelado como habitual, e um pastel de nata com um toque de canela e se um dia voltasse o sabor não era mais o mesmo. Já me despedira dos familiares e amigos mais próximos, eras o único que faltava. As malas estavam no carro, e o motor já aquecia. Vinhas lentamente rua abaixo, vi-te pelo espelho retrovisor, trazias um enorme ramo de orquídeas - como me conhecias bem! Entraste no carro e mandaste-me arrancar, disseste-me onde virar e seguir as ruelas que conhecias tão bem como a palma da tua mão. Por fim parámos, agarraste-me durante uns bons dez minutos, ficamos juntos a ver o pôr-do-sol, mas se um dia voltasse já não irias sentir a minha falta. Queria parar o tempo naquela fracção de segundo onde me sussurraste o que queria ouvir há muito tempo. Gastei as minhas ultimas forças contigo antes de onze horas de viagem. Sabia que era um adeus e ao mesmo tempo um obrigado por três anos de presença diária e se um dia voltasse sabia que estavas disposto a tudo outra vez. Por fim disseste-me adeus, agora no teu ponto pequenino em comparação com o avião, e deixamos que se um dia nos voltássemos a ver tudo seria exactamente como tínhamos planeado.

2 comentários:

Pêjotinha' disse...

Eu chorei a ler este textinho nez :$

está tão querido+.+

cript. disse...

se ele vostasse estariam os dois mais maduros e se as vossas vidas não tiverem seguido rumos que vos tornara incompativeis vós iriam voltar e não iriam cometer os mesmo erros, certamente.
amo-te minha cabrita do monte, meu neném! (: