" txi amo "


Sempre achei que conseguia ter-te até à última, que era dona do tempo e recuava as horas que fossem preciso para remediar tudo. Achei-me demasiado forte, demasiado "senhora do meu nariz" e deixei-te ir. Como das outras vezes desisti, simplesmente arrumei-te na ultima gaveta do meu móvel. Contrariamente tu lutaste. Mantiveste-te firme a meu lado, em todas as crises reais e imaginárias. Aliás, nunca me deixaste. Enquanto mentia, traia e mal tratava tu, cegamente me protegias. Davas tudo o que não dava.
Consigo ainda, todas as noites, lembrar-me de ti e de mim - como irmãs. Parece que já passou tanto tempo desde aí mas se pensares bem foram apenas alguns meses. Sabes, já me habituei a não receber nenhuma mensagem tua mal acorde nem numa chamada a meio da noite só para te ouvir cantar uma das nossas mil e uma músicas, nem quando subitamente descobrimos que estamos no mesmo sítio e corríamos para a outra como se nunca nos tivéssemos visto.
Como é que se reduziu a tão pouco? Se pudesse ter-te só mais uma vez... mas era pedir demais visto que desperdicei sempre as outras oportunidades que me foram dadas e esta não ia ser diferente. Nunca to disse mas sinto a tua falta, sinto falta dos teus apertos e do teu aconchego que só tu sabias dar na altura certa.

« serás sempre o meu reflexo »

3 comentários:

cript. disse...

escreves mesmo bem inês, fg.
amo-te zé, amo-te mesmo muito zé. (:

Cátia Vieira disse...

gostei mesmo :D contagiante!
um beijo *

verasousa disse...

nao sei o destinatário, mas é triste e lamento.
amo-te