tranquilidade *

"Todo o amor deste mundo perdido num segundo, todo o riso transformado num olhar apagado, toda a fúria de viver afastada do meu ser até que um dia acordei e vi que estava a perder. Toda a força que cresceu na vida que deus me deu. Uma vontade de gritar bem alto: o meu amor morreu. Todo o mundo há-de ouvir, todo o mundo há-de sentir tenho a força de mil homens para o que há de vir
Penso em ti até que bate duro no meu crânio. Toda a dor, toda a raiva, todo o ciúme, toda a luta, toda a mágoa e pesar, toda a lágrima enxuta. Alieno como posso não posso encher a cabeça, não há dinheiro nem vontade ou amor que o mereça. Não vou pensar de novo, vou-me pôr novo neste dia novo estreio um coração novo.
Acredita que custou mas finalmente passou e no final do dia foi só isto que restou.
Vai haver um outro alguém que me ame e trate bem, vai haver um outro alguém que me ouça também, vai haver um outro alguém que faça valer a pena, vai haver um outro alguém que me cante este poema."

1 comentário:

Verinha disse...

Não duvides que as músicas dizem mesmo as verdades todas da vida ;)
minha pequena*